sábado, 26 de janeiro de 2013

Auto-exercício

  Eu quero parar de pensar em possibilidades de acontecer coisas que nunca acontecem e que quanto mais eu penso mais eu excluo a possibilidade de que venham acontecer; eu quero parar de pensar em comer cada vez que me sinto vazia: alimento nunca vai preencher a minha alma, muito pelo contrário só vai esvaziá-la cada vez mais tirando a única coisa que me resta que é o amor que sinto por mim mesma, um amor cheio de buracos mas que é válido quando é o único que se tem; eu quero parar de olhar o meu reflexo com aversão ao que vejo, desejando ser um outro alguém, um alguém tão perfeito que não existe similar em nossa dimensão; quero parar de me sentir inferior as pessoas ao meu redor, e [na minha mente] colocar um monte de defeitos nelas só pra sentir um gostinho momentâneo [bem amargo e podre] de ser melhor em "aspectos super mais importantes", não se trata de ser melhor ou inferior ou igual, trata-se de olhar pra mim mesma e ver meus azedos e minhas doçuras; e principalmente: quero parar de querer e não conseguir, é frustrante olhar pra trás e ver que as expectativas, desejos, planos vão se decompondo por simplesmente não ter ido atrás de consegui-los, alcançá-los e achar difícil demais, [tentar] enganar a si mesma dizendo que nem era tão importante assim, afinal "impossíveis" foram feitos para nunca serem "possíveis" mesmo quando só são "impossíveis" nessa minha mente tão preguiçosa, desesperançosa, quase destruída; quero parar de chorar também, esse choro interno que só intensifica mais e mais minha dor, me auto-torturando da pior forma possível simplesmente por medo de olhar lá fora e viver pelo menos uma vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário